Porque devemos demolhar (alguns) alimentos?

Maria Fernandez

Maria Fernandez

Muitos pais e cuidadores me questionam sobre a importância de demolhar certos alimentos. Deixo-vos aqui a resposta a essas dúvidas:

O que acontece quando demolhamos alimentos?

Existem antinutrientes, como por exemplo os oxalatos e o ácido fítico, que estão ligados a determinados micronutrientes, como por exemplo o cálcio, zinco ou ferro, que impedem que os consigamos absorver, uma vez que não possuímos enzimas capazes de quebrar essas ligações. Quando demolhamos, neste caso particular, a semente entra em contacto com a água, e as enzimas da planta são ativadas, facilitando o nosso processo de digestão. Assim, quando ingerimos o alimento, conseguimos aproveitar melhor todos os seus nutrientes.

Quais os maiores benefícios de demolhar?

  • o aumento da biodisponibilidade de vários micronutrientes, melhorando o processo de digestão e o seu sabor;
  • a diminuição do tempo de cozedura.

Que alimentos devo demolhar?

  • Cereais integrais/grãos (arroz integral, grão de trigo, de centeio, de cevada, de aveia, trigo-sarraceno, quinoa, millet ou milho miúdo e sorgo);
  • leguminosas secas (feijões secos, lentilhas, grão de bico, ervilhas secas, favas secas);
  • oleaginosas e sementes (amêndoas, avelãs, cajus, nozes, sementes de girassol, abóbora).

O que não demolhar?

  • cereais em flocos: no processo de produção do floco já existiu uma cozedura prévia, que facilita a digestão.
    Por exemplo, os flocos de aveia integral são o grão inteiro, ao qual é retirada a casca, depois são cozidos a vapor e prensados em forma de floco. O mesmo acontece com os cereais tufados (ou puff/pipoca) já que o seu processo de expansão é feito através de calor, pelo que já estarão parcialmente cozinhados.
  • As sementes de chia precisam apenas de ser hidratadas antes de oferecer ao bebé. As sementes de linhaça não precisam de ser demolhadas, e devem ser trituradas no próprio momento de consumir, assim como as sementes de cânhamo, que não convém demolhar e podem ser consumidas cruas, devidamente trituradas para oferecer ao bebé. Quando hidratamos a chia ou linhaça conseguimos criar um líquido gelatinoso e, desta forma, substituir ovos nas receitas quando ainda não introduzimos este alimento, ou não pretendemos introduzir. (Ver mais exemplos de substitutos do ovo aqui)

Gostou? Compartilhe...

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on tumblr
Tumblr
Share on telegram
Telegram
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Posts Recentes

A obstipação e a introdução da alimentação complementar:

As perguntas mais frequentes

A higiene do bebé durante a refeição

Categorias

Tags

Facebook

Instagram

Webinar