Descomplicar as refeições em família

Andrea Jerónimo

Andrea Jerónimo

A gestão das refeições familiares é, na maioria das vezes, encarada como um “fardo”. Tipicamente responsabilidade “da mãe”, causa momentos de verdadeiro stress pensar: o que vamos almoçar?, e agora? atrasei-me para o jantar…, será que estou a fazer as melhores escolhas para a minha família? e o bebé?

Este “peso” aumenta quando a família aumenta, principalmente porque queremos dar o melhor aos nossos filhos e, quase sempre, acreditamos que as nossas escolhas não servem.

Mas, e se não for bem assim? E se conseguirmos sentar todos à mesa a partilhar MESMO a MESMA refeição?

Muitas das famílias que acompanho passam por este desafio: como partilhar uma refeição entre todos? como melhorar a logística familiar garantido qualidade e variabilidade? A resposta é relativamente simples: Planear.

Antes de mais é importante percebermos e definirmos o nosso objetivo. Quero organizar-me para quê: para ter mais tempo? para não ser um stress na hora das refeições? para conseguir que todos comam melhor e não andar a desenrascar com congelados e take-away a toda a hora? porque tenho um bebé que vai iniciar alimentação complementar e gostava mesmo de partilhar as refeições em família?

Tendo o meu objetivo definido vou então avaliar qual a estratégia que melhor se aplica ao meu dia-a-dia, à minha rotina e dinâmica familiar: é cozinhar tudo ao fim de semana? tenho 30 minutos por dia antes das refeições que posso dispensar na preparação? faço compras mensais ou semanais? gosto mais de comprar frescos de 3 em 3 dias ou prefiro um carregamento para 2 semanas? faço meal preap de legumes com os cortes adequados e depois é só levar ao forno?

Com base nestes 2 pontos vou planear. E há várias coisas a planear:

1. O dia em que planeio. Parece redundante mas não. Vamos ter de gastar 30m por semana, por exemplo, para planear o que serão as nossas refeições, listas de compras, execução de compras e confecção;

2. O dia em que faço compras (seja on-line seja presencial). Acreditem que ir todos os dias ou quando falta alguma coisa não é eficiente. Este passo obriga-nos a fazer listas de compras ;);

3. O dia em que preparo os alimentos e/ou confecciono as refeições.

Como combino isto tudo? Com um último ponto: inventário. Saber o que há em casa. Com base nesta lista identifico o que preciso para as ementas semanais, sempre com o foco em minimizar stocks e optimizar a qualidade dos alimentos que escolho.

Mas no meio de tantas regras há uma que é crucial para o sucesso: descomplicar. Sim vamos planear, mas acima da tudo vamos tirar partido do mais importante: tornar as refeições em família um momento de convívio e de partilha.

Porque, para mim, cozinhar é um ato de amor, para nós e para com os nossos. Até porque as escolhas que fazemos vão ditar como vamos nutrir o nosso corpo e cuidar da nossa saúde (e dos nossos).

Andrea Jerónimo, Integrative Nutrition Health Coach (INHC)

Mãe de 3 Ms. Autora do blog “O que faço amanhã para o pequeno almoço”

Gostou? Compartilhe...

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on tumblr
Tumblr
Share on telegram
Telegram
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Posts Recentes

Porque devemos demolhar (alguns) alimentos?

A obstipação e a introdução da alimentação complementar:

As perguntas mais frequentes

Categorias

Tags

Facebook

Instagram

Webinar